Não acho legal ficar criando polêmica só por criar, apesar de a prática não ser de hoje. Gosto quando um assunto que você não espera, ou que você espera um pouco de repercussão, supera qualquer expectativa.

Com o desenrolar do caso das Paula Fernandes e dos Testemunhas de Jeová, que começou aqui no blog e rodou os portais até parar na TV, fiquei lembrando de outros assuntos que geraram bate-bocas intermináveis nos comentários. Curiosamente, entre os 4 que mais deram confusão, dois envolvem o nome da Paula.

___

A notícia abaixo não tem nada de polêmica, mas qualquer coisa que se falasse da Paula, dava audiência (não mudou muito de lá pra cá). Quando uma pequena barra de ferro caiu no nariz dela e fez um corte, algo sem muita gravidade, em setembro de 2011, surgiu uma legião de anônimos revoltados com ela, mas ninguém soube ao certo explicar o motivo.

O problema foram os palavrões e a forma com a qual algumas pessoas se referiram a ela. Me deu um trabalhão pra moderar os comentários, e mesmo não sendo adepto de proibir, houve excessos que eu precisei banir. Mesmo assim, houve leitor que me mandou email revoltado com alguns comentários aceitos.

___

No início de 2011, Lobão disparou, no programa “Pânico”, da rádio, uma série de críticas a artistas teens, aos fãs destes artistas, e ao “sertanejo universitário”. Um de seus principais alvos foi Luan Santana. A entrevista não iria ter tanta repercussão, já que não era novidade o Lobão falar mal de alguém, não fosse o detalhe de o empresário do Luan ironizar as declarações dadas no programa. “Ouvi vc falando mal do Luan… vc sim deve ser um exemplo pela sua história de vida, né? kkkk”. O resto vocês imaginam.

___

O assunto abaixo é, sim, polêmico. Quando terminei a entrevista, imaginei que a repercussão seria grande, mas não do tamanho que acabou sendo. Não pensei, no entanto, que fosse virar assunto dentro do meio artístico, já que, segundo boa parte das pessoas, o que ele disse não era novidade pra ninguém.

No caso, também recebi uma série de emails criticando o fato de eu ter dado espaço para que alguém criticasse a música sertaneja, mesmo se tratando de um artista respeitado, como se isso algo muito errado.