Universo Sertanejo

DESTAQUES

O preço da política


O Barcelona, time espanhol, pretende se afastar de Ronaldinho Gaúcho após o ex-jogador apoiar Jair Bolsonaro. As ideias do candidato não condizem com os ideais do clube, segundo o jornal Sport.

A notícia está sendo repercutida em todos os veículos brasileiros.

Se é democrático manifestar uma opinião política, discordar dela também faz parte do jogo, mesmo quando se trata de instituições.

Vamos trazer a questão para o nosso mundo.

No início de setembro, no Instagram, fiz uma postagem dizendo “Fã é algo difícil de se consquistar pra artista perder aos montes por conta de postagens sobre candidatos/eleição. Não vale a pena“.

Não sou a favor de artista alienado, despreocupado com os problemas do país, mas vejo o apoio político declarado como algo potencialmente negativo para a imagem, sendo que imagem = $$$.

Assistimos a uma eleição presidencial muito apaixonada, polarizada, revoltada.

Tivemos dois casos marcantes: Gusttavo Lima, quando postou um vídeo praticando tiro nos Estados Unidos e apoiando Bolsonaro, e Marília Mendonça, quando promoveu a campanha do #EleNão.

Ambos dentro do seu direito de se manifestar, falaram em tom moderado e mesmo assim foram xingados até não poder mais. Os dois acusaram o golpe, Gusttavo soltou vídeos se justificando e Marília apagou sua postagem.

Assim como o Barcelona, que pretende se afastar de Ronaldinho (o clube não se manifestou e provavelmente não vai), empresários, imprensa e marcas ficam de olho no comportamento dos artistas nesses períodos.

No calor da discussão, que deve se amenizar após o segundo turno, o artista não repara na pauta caída ou no contrato que poderia ter rolado e não rolou. Percebe mais tarde e raramente admite que tem culpa no cartório.

Os pequenos perdem pauta, toda semana. Os grandes perdem fãs e grana, embora alguns tenham interesses por trás de determinado apoio (fiquem espertos a isso).

Reiterando, é direito de todos se manifestar, mas não relacionar seu nome a algum político também é uma opção. Aparentemente, a mais inteligente delas.

Villa Mix Lisboa


No último sábado, dia 6 de outubro, foi realizada a primeira edição do Villa Mix na Europa.

A cidade escolhida foi Lisboa, capital de Portugal. Foi minha quarta cobertura na cidade. Estive em um show do João Bosco e Vinícius, em 2011, Maria Cecília e Rodolfo, também em 2011, e voltei em 2012 para acompanhar o estouro do “Ai se eu te pego”. Agora, fui ao Villa Mix.

vmpt(foto: Rubens Cerqueira)

A música brasileira de linha mais popular tem seu espaços nas rádios portuguesas, sem contar com o desempenho digital bastante positivo por lá.

Nas quatro oportunidades em que acompanhei apresentações na capital, todas surpreenderam em relação ao número de ingressos vendidos. O Villa Mix foi realizado na Altice Arena (Altice é uma empresa holandesa de telecomunicação e mídia), local com capacidade para 20 mil pessoas (incluindo arquibancada e quadra), e os ingressos se esgotaram com uma semana de antecedência.

Foram seis apresentações: a cantora portuguesa Blaya, Kevinho, Jorge e Mateus, Safadão, Matheus e Kauan e Alok.

Impressionante que parecia apenas mais um show no Brasil, com todo mundo cantando todas as músicas.

Em 2017, segundo dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal, mais de 85 mil brasileiros viviam em Portugal. Só no ano passado, com as notícias de que Portugal estava se recuperando economicamente, mais de 4 mil “brazucas”, como os portugueses gostam de falar, decidiram tentar a vida no país europeu.

A maior parte do público, claro, era de brasileiros, mas não só residentes em Portugal. Diferentemente do que costuma acontecer, usou-se a estratégia de não fazer turnê nem com Jorge e Mateus nem com Matheus e Kauan na Europa em dias próximos.

É muito comum tocar em Portugal, Bélgica, França, Londres e Suíça aproveitando a viagem (Kevinho e Safadão excursionaram). Isso ajudou com que brasileiros que morem em outros países fossem ao Festival.

Conversei com o Safadão no retorno ao Brasil: “o Villa Mix foi incrível, um show realmente pra ficar na memória pro resto da vida, público brasileiro, público português, foi realmente muito especial tudo o que aconteceu. Tive oportunidade de tocar nessa turnê em Paris pela primeira, em Zurique, Portugal e Londres. Encontrei uma galera super atualizada, cantando inclusive nossas músicas novas, volto muito realizado. Foi bem positiva a nossa turnê”.

 

 

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Vai ficar pra sempre na minha memória tudo que aconteceu ontem em Lisboa! #SoPraCastigar #WSMaisUmaVez #VillaMixLisboa   Uma publicação compartilhada por Wesley Safadão (@wesleysafadao) em

Segundo Villa Mix fora do Brasil (o primeiro foi em Ciudad del Este, no Paraguai, em março), o VM Lisboa deve se repetir no ano que vem.

Não deu


Figuras que possuem alguma relação com o meio da música sertaneja não tiveram sorte nas eleições desse ano.

Ninguém foi eleito (se faltou alguém, é só avisar).

___

-Joaquim (da dupla Joaquim e Manuel)
-Zé da Viola (pai de Jads e Jadson)
-João Lucas (da dupla João Lucas e Marcelo)
-João Reis (pai do Cristiano e Felipe Araújo)
-João Wellingon (contratante)
-Marco Brasil (locutor)
-Piracicabano (locutor)

___

O meio dos rodeios deu mais sorte: um dos principais defensores da prática, o Capitão Augusto foi reeleito como deputado federal.

Matogrosso e Mathias cantam com Zé Neto e Cristiano: “Conversando com o Abajur”


Matogrosso e Mathias entraram em estúdio, no mês passado, para registrar cinco canções em áudio e vídeo, quatro delas inéditas.

Uma das canções do EP, a primeira a ser lançada, se chama “Conversando com o Abajur” e foi gravada ao lado de Zé Neto e Cristiano.

fbznmm

Escrita por Matogrosso, Mathias, Maycon Sisto, Igor Valadares e Marco Gatto (produtor musical do projeto), a canção é romântica e bastante focada na interpretação das duplas.

“Foi um encontro histórico. Eles, que gostam do nosso trabalho e nós, que admiramos a força e a trajetória deles”, diz Matogrosso.

“Matogrosso e Mathias são referência no cenário musical. 42 anos de sucesso não é para qualquer um”, fala Zé Neto. “Ficamos bem felizes. Cantar com nossos ídolos é um privilégio”, destaca Cristiano.

Trata-se de uma reunião que mostra a força da região de São José do Rio Preto, pois Zé Neto, Cristiano e Mathias são de lá, conhecidos desde antes do sucesso.

A parceria pode ser conferida no vídeo abaixo.

___

Em tempos de eleições


Aproveitando o clima de eleições, gostaria de deixar uma dica.

Há um livro chamado “Cowboys do Asfalto”, do historiador Gustavo Alonso, que narra a história de ascensão da música sertaneja, saindo da cultura caipira para se tornar um fenômeno de mercado.

Até aí, sabemos bem, ele não é o único a se aventurar nessa história.

O diferencial do livro é abordar, além das questões musicais, quais relações os artistas sertanejos têm e tiveram com o poder. De quais formas as duplas se aproximaram de políticos importantes em épocas marcantes da história do país.

O texto não faz julgamentos ideológicos, apenas apresenta a pesquisa do autor. Para quem gosta de bastidores, é um prato cheio.

cbda

___

Um fim de semana estranho


No sábado (29), Victor e Leo se despediram temporariamente dos palcos, em um show na cidade de São José do Rio Preto, interior de São Paulo.

Eles ainda cantarão juntos em 24 de outubro no evento beneficente “Amigos do futuro”, ao lado de vários outros artistas, mas como turnê de estrada, no sábado, de fato foi o último show.

Disseram, recentemente, que se trata apenas de uma pausa prolongada, negando que seja o fim da dupla.

Ontem, domingo (30), em Niterói-RJ, foi a vez de Simone fazer o último show antes de uma parada nos trabalhos de Simone e Simaria.

Simaria, como se sabe, está em tratamento contra uma tuberculose ganglionar. As irmãs voltarão aos palcos após o reestabelecimento da saúde de Simaria.

Ainda que explicadas oficialmente, as pausas geram aflição nos fãs.

Foi um fim de semana estranho para a música sertaneja.

A Nossa Voz


Inspirados pelo momento crítico que estamos passando politicamente, Chitãozinho e Xororó lançaram, no mês passado, uma campanha intitulada “A Nossa Voz”.

A dupla reuniu uma lista grande e surpreendente de artistas para gravar um clipe da canção que dá o nome do projeto. A ideia, que não tem cunho partidário, defende basicamente um país mais unido diante da situação crítica em que os encontramos.

O mais valioso do encontro é que ele traz figuras que não se identificam politicamente entre si, que inclusive já se manifestaram por candidatos diferentes, mas que entendem que é necessário se unir por um bem maior.

A canção é de autoria do Xororó e da dupla Tonny  Kleber.

Os artistas envolvidos são: Chitãozinho & XororóPaulo Miklos, Thiaguinho, Luan Santana, Michel Teló, Gilberto Gil, Sandy, Andreas Kisser, Família Lima, Marcos & Belutti, Alcione,Paula Fernandes, Toni Garrido, Karol Conka,Projota, Negra Li, Rapina Hood, Seu Jorge, Ivete Sangalo, Rogério Flausino, Maria Gadú, Junior Lima, Caetano Veloso, Elba Ramalho, Daniel, Tonny & Kleber, Allison Lima.

___

Anselmo e Rafael com novidade: “Modão do Zezé e Luciano”


Com mais de 20 anos de estrada, Anselmo e Rafael estão trabalhando no lançamento de um novo CD.

Enquanto o projeto não sai oficialmente, a primeira música desse novo CD começa a ser trabalhada hoje, a divertida (e sofrida) “Modão do Zezé e Luciano”.

fbans

A canção ganhou um clipe gravado em um bar na cidade de Cuiabá-MT, na pegada bem humorada da música, que brinca com o sofrimento de um cara ouvindo uma moda de Zezé di Camargo e Luciano.

A composição é inédita, escrita pela própria dupla.

Indicados ao Grammy Latino


Foram divulgados hoje os indicados ao 19º Grammy Latino.

Na categoria “Melhor Álbum de Música Sertaneja”, diferentemente do que costuma acontecer, foram sete indicações.

Entre elas está Solange Almeida, uma das figuras mais populares do Forró (e muito bem quista em outros gêneros), com seu primeiro projeto pós-Aviões.

O nome dela na lista de sertanejo mostra que não há quase nenhum cuidado, por parte da organização, com a categoria. Difícil defender a credibilidade do prêmio.

gmlatino

Ainda há a indicação de +AR, de Almir Sater com Renato Teixeira, para “Melhor Álbum de Música de Raízes em Língua Portuguesa.”

Luan Santana com Jorge e Mateus


Luan lançou, na semana passada, seu novo projeto, um EP chamado “Live-Móvel” com sete músicas.

Ele viajou pelo país com uma carreta e realizou apresentações surpresas em cima dessa mesma carreta.

O EP traz três participações: Jorge e Mateus, Simone e Simaria e Mc Kekel.

As canções já estão todas disponíveis nos serviços de streaming. Da parte em vídeo, apenas foi liberada a canção que será de trabalho: “Sofazinho”, gravada ao lado de Jorge e Mateus.

___