di paullo e paulinoArquivo

Dois DVD’s em Goiânia nos próximos dias: Di Paullo e Paulino e Zé Ricardo e Thiago


Nos próximos dias, duas gravações acontecerão na capital de Goiás. Curiosamente, ambas de artistas da Talismã.

dppdvd

No próximo sábado, dia 31, Di Paullo e Paulino gravam um DVD no Lago Verde. Com produção musical da própria dupla, o projeto terá a participação do Leonardo, amigo e empresário dos cantores.

zrettdvd

Também em Goiânia, no dia 10 de fevereiro, Zé Ricardo e Thiago gravam DVD no Santafé Hall. Os gordinhos, como eles mesmos se chamam, estão anunciando as participações aos poucos.

Até o momento, já estão confirmados Jorge e Mateus, Gusttavo Lima e Zé Felipe.

Quatro clipes de uma vez


Nas últimas semanas, foram lançados alguns clipes interessantes, um atrás do outro. Pra evitar que o blog ficasse com postagens seguidas apenas com videoclipes, esperei pra postá-los todos de uma vez.

Abaixo, há 4 clipes: “Só vou beber mais hoje”, em que Humberto e Ronaldo atacam até de atores, “Meu amor é 10″, que mostra alguns trechinhos, em meio a uma historinha, do DVD da dupla Edson e Hudson gravado no circo, “Ponto Final”, de Di Paullo e Paulino, e “Ainda chove lá fora”, de Juliano Cezar.

___

Humberto e Ronaldo – “Só vou beber mais hoje”

___

Edson e Hudson – “Meu amor é 10″

___

Di Paullo e Paulino – “Ponto Final”

___

Juliano Cezar – “Ainda chove lá fora”

No fim de semana…


-Durante o final de semana, pode ser que as postagens entrem em horários não muito normais, pois estou em viagem, mas elas não deixarão de ser feitas.

-Na semana que vem, provavelmente na terça, publico uma entrevista muito legal, muito interessante, com um personagem da música sertaneja conhecido por todos. Histórias que a geração mais nova não conhece, e que vai valer a pena conferir. Não vou contar quem é, claro.

-A entrevista que fiz com Victor e Leo durante a semana, de onde saíram as críticas do Victor à atual situação da música sertaneja, foi publicada hoje. Quem quiser ler na íntegra, pode clicar aqui.

-Aproveito a postagem pra mostrar a nova música do Di Paullo e Paulino, lançada na última quarta-feira (25). Trata-se de um arrochinha chamado “Ponto Final”, bem a cara deles, algo que eles já fazem há anos, e com uma letra cheia de brincadeiras com as palavras.

Algumas sugestões


Vou dar quatro sugestões aqui, algumas delas devem agradar aos fãs da boa música sertaneja.

Ainda não foi lançado o novo CD de Di Paullo e Paulino, mas tive acesso ao repertório essa semana e preciso dividir uma das canções com vocês. Sou fã da dupla, nunca escondi, e creio que esse novo trabalho traga uma das grandes canções de toda a carreira. A canção se chama Malu, e pode ser conferida abaixo.

[uolmais type=”audio” ]http://mais.uol.com.br/view/11884671[/uolmais]

___

A canção abaixo não é nova, já havia sido gravada por Cezar e Paulinh. Foi regravada no projeto “Um Barzinho, Um Violão – Sertanejo”, nas vozes de Bruno & Marrone e Sidney do Cerrado. Como muita gente acabou não conhecendo esse projeto, posto a canção abaixo. Mais uma para quem é fã mesmo de música sertaneja.

[uolmais type=”audio” ]http://mais.uol.com.br/view/11884666[/uolmais]

___

Uma curiosidade que surgiu na internet esses dias: um grupo, chamado “Samba 10″, resolveu fazer uma versão de “Aí já era”, de Jorge e Mateus, em ritmo de pagode. O resultado pode ser conferido abaixo.

[uolmais type=”audio” ]http://mais.uol.com.br/view/11884662[/uolmais]

___

Na última terça-feira (26), participei do programa “TVendo e Aprendendo”, da TV Aparecida. O tema do dia foi “Moda Sertaneja”. Abaixo, segue um vídeo com um compacto do que aconteceu no programa.

[uolmais type=”video” ]http://mais.uol.com.br/view/11877697[/uolmais]

Di Paullo e Paulino: “música triste também deixa as pessoas felizes”


Di Paullo e Paulino, irmãos que gravaram o primeiro disco em 1973, seguem rumo aos 40 anos de carreira mantendo o mesmo estilo que assumiram quando crianças: o canto triste.

O dueto diferenciado e as interpretações melancólicas, inspirados em nomes como Silveira & Silveirinha e Creone & Barrerito, foram adotados com um intuito único: agradar ao pai, fã de música sertaneja.

Com a mais recente ascensão da música sertaneja, eles aproveitaram o embalo e aumentaram, assim como as duplas novatas, o número de shows. Com as atenções voltadas para o sertanejo, os irmãos mantiveram o estilo que os tornou respeitados no meio musical e se tornaram mais respeitados.

No início desse ano, foi anunciada a parceria entre Di Paullo e Paulino e a “Talismã”, escritório do cantor Leonardo, grande amigo pessoal dos cantores. Animados com as metas apresentadas pelo novo escritório, os cantores lançam esse mês “Namorando teu sorriso”, 14º álbum da carreira.

Abaixo, uma conversa com Di Paullo e Paulino.

___

A amizade de vocês com o Leonardo sempre foi muito comentada. Por que a parceria com a Talismã não veio antes?

Di Paullo: A gente gente tinha um escritório próprio, mantido por nós, que era responsável por tocar nossa carreira, e nós estávamos satisfeitos com ele. Tanto que no ano passado já tinha surgido uma conversa com a Talismã, mas nós preferimos manter o nosso escritório. Passou um tempo e a gente voltou a conversar com a Talismã, que surgiu com metas mais altas, que dariam uma visibilidade diferente pra gente. Como a gente já conhecia todo mundo de lá, decidimos que seria positivo pra nossa carreira.

O CD novo segue no mesmo estilo dos anteriores? Há alguma diferença para os outros?

Di Paullo: Sempre tem novidades, como novos temas, novas histórias, amores mal resolvidos, declarações apaixonadas e outras coisas do gênero. A gente segue no mesmo estilo, com nossas músicas românticas misturadas com aquelas de bailão, dançantes. Depois que a música country entrou no sertanejo, nós incorporamos algumas coisas ao nosso estilo, acho que isso ajudou muito a gente, sem que isso fugisse da nossa essência. Nesse novo CD, a gente tem a participação do Leonardo na música “O Ladrão“, que é a primeira música de trabalho.

Vocês ganharam um bom espaço na música sertaneja nesses últimos anos. Há alguma relação com a ascensão dessa nova safra de duplas?

Paulino: A gente sempre fez shows, sempre viveu disso. De fato, as festas aumentaram bastante nos últimos anos e abriram espaço pra muita gente. E isso foi bom principalmente por terem dado espaço pra todos os estilos de sertanejo, não ficado só em um. A maioria dos nossos shows sempre foram em pecuárias, rodeios e praças públicas.

As características mais fortes de vocês são o dueto e a maneira triste de cantar? De onde vem esse estilo?

Paulino: Antes de tudo, a gente começou a cantar assim pra agradar nosso pai, fã desse tipo de interpretação. Isso é o que a gente chama como o canto goiano, se você for em Minas, em Goiás, as pessoas vão saber do que se trata se você perguntar sobre o canto goiano.

Essas definições acabam se perdendo um pouco com o tempo, mas quem é do sertanejo conhece bem. Nesse estilo, eu poderia citar o Silveira e Silveirinha, o Gino e Geno, que cantou assim durante muitos anos, e o Creone e Barrerito, antes de formarem o Trio Parada Dura.

Uma historiadora nos disse uma vez que esse jeito triste de cantar vem desde a época dos escravos. Como aqui no Centro-Oeste a influência de música estrangeira demorou demais a chegar, as tradições se mantiveram por muito mais tempo do que em outras regiões do país, então aqui em Goiás, você vai achar ainda muita gente gostando desse tipo de música, que provavelmente vem mesmo dos lamentos da época dos escravos.

Vocês disseram que festas são o principal palco de vocês hoje. As canções muito tristes não vão de encontro ao clima alegre que propõe uma festa?

Di Paullo: Olha, é legal esse assunto. Se você reparar, o ritmo da música muitas vezes não representa aquilo que você quer passar. Às vezes, a pessoa tá sorrindo com uma música agitada, mas no fundo a vida dela não tá legal, ela precisa ouvir uma verdade pra ficar melhor. É por isso que a gente diz que música triste também deixa as pessoas felizes. Muita gente se identifica, desabafa, sente a verdade que a gente está tentando passar. Música é verdade, é isso que toca as pessoas, e não o ritmo mais rápido ou mais devagar que você canta.

___

Abaixo, “Namorando teu sorriso”, canção que dá nome ao CD.

[uolmais type=”audio” ]http://mais.uol.com.br/view/11665297[/uolmais]

“O Ladrão”, com Di Paullo & Paulino e Leonardo


Como publicado aqui meses atrás, Di Paullo e Paulino agora fazem parte da Talismã, escritório do Leonardo.

E no novo disco da dupla, que já está pronto (mas ainda não foi lançado), há uma canção com a participação do cantor.

Essa canção se chama “O Ladrão”, e pode ser ouvida abaixo.

[uolmais type=”audio” ]http://mais.uol.com.br/view/11523990[/uolmais]

___

O Ladrão

O amor é uma estrela
É uma jóia fina
De rara beleza

Tem sempre alguém na mira
E se a gente cochila
Tem uma surpresa

De repente um ladrão
Roubou o coração
Que ela um dia me deu

Levou embora o tesouro
E se apossou do ouro
Que era só meu

Meu amigo,
Eu não tô legal
Tô mal
To mal

Que dó que dá
Ver você baqueado
Sabendo que ela
Está aqui do meu lado

Ela tem a chama
Que esquenta a cama
Do meu coração

Que dó, que dá
Ver você feito bobo
Mas quem perde, chora
É a regra do jogo

Respeito o seu choro
Mas o seu tesouro
Tá na minha mão

Meu amigo,
Eu não tô legal
Tô mal
To mal

Meu amigo, eu não posso ajudar
Que dó que dá
Que dó que dá