por Renato Teixeira

Foi publicado, hoje, um texto do Renato Teixeira no site de Victor e Leo.

O objetivo do texto é falar sobre o novo CD da dupla, “Boa Sorte Para Você”, mas resolvi publicar aqui por causa do que o Renato fala e deixa transparecer sobre música sertaneja, definindo muito bem o que tanta gente pensa.

Os negritos são por minha conta.

___

por Renato Teixeira

Como é bom ouvir uma canção capaz de deixar a gente feliz. Limpa, clara e direta. Para ouvir no carro pelas estradas, numa manhã de domingo. Victor e Leo são artistas para grandes eventos, para lotar ginásios e fazer a festa.

Mas, também, são maravilhosos e poderosos artistas do rádio.

Dizem que “houve” uma era do rádio. Errado; a era do rádio é agora e sempre. É pelo radio que vem a consagração.

O cd “Boa Sorte Pra Você” traz essa proposta radiofônica, que é a base de tudo. É daí que vem a popularidade. É daí que as canções disparam pelo ar caçando ouvintes. O radio é o espírito da coisa.

A arregimentação, os arranjos e a própria vocalização de “Boa Sorte Pra Você” nos levam com gentileza e elegância e não nos confundem. A moçada se entrega completamente e os shows de Victor e Leo são sempre celebrações em torno das canções de felicidade. Tudo leve e solto, sem lenço e sem documento.

Tudo começou bem lá atrás, nos tempos de Cornélio Pires que foi quem inventou o personagem que fala errado e canta modas de viola. Ele percebeu o jeito diferenciado de ser do caipira e “radiofonizou” suas historias simples. A idéia era divertir as pessoas, alegrar o ambiente. A dupla surge em função da viola ponteada que precisava de um violão para deixar mais redondo. O músico do violão, já que estava ali mesmo, começou a fazer um contracantozinho aqui, outro lá e a coisa foi se ajeitando até o formato Tonico e Tinoco, um verdadeiro achado musical. Um formato essencialmente brasileiro.

No final dos anos sessenta, começo dos setenta com a grande transformação cultural do planeta, o caipirismo cumpriu seu ciclo de vida ativa e desapareceu.

Apesar de tudo, as músicas que eles fizeram continuaram agradando. Sérgio Reis, com “Menino da Porteira”, Chitãozinho e Xororó,com “Rancho Fundo” e Ellis, consagrando “Romaria”, uma nova proposta para a retomada do gênero, mostraram que, na verdade, a música da cultura caipira não estava morta; apenas se rearticulava, se repaginava e influenciava artistas preocupados em achar uma nova expressão musical fundamentada nos valores caipiras, sem dúvida um caminho mais difícil do que montar uma banda de rock and roll.

Com a chegada de Chitãozinho e Xororó, a popularidade do gênero se manifesta com todo o esplendor da sua história. Sempre fora assim. Em 69, por exemplo, quando Tonico e Tinoco anunciaram que iriam se apresentar num circo em São Miguel Paulista, a polícia teve que intervir na estação da Luz para conter a multidão que queria ir de trem.

Agora, relida e repaginada a música dos caipiras voltava à cena. Seria ingenuidade pensarmos que essa retomada seria possível utilizando apenas formatos antigos.
Fizeram uma espécie de antropofagia histórica, preservando a idéia da dupla e o costume de cantar para fazer a gente nunca esquecer quem é e somaram a isso a linguagem contemporânea que se pratica. Tudo simples e prático.

Foi assim que o eixo da música brasileira, que sempre girou no litoral, começou também a girar no interior e outra realidade apareceu.

O movimento que ficou conhecido como sertanejo conquistou o mercado e se igualou a outros altamente populares, como a Bossa Nova, a Jovem Guarda e o Tropicalismo. Todos nascidos de partos difíceis, é bom não esquecer.

Esses “movimentos” são momentos mágicos, onde o mercado escolhe os artistas capazes de reunir em torno de si o maior número de seguidores possíveis. Assim, o sertanejo se estabeleceu.

Na seqüência dessa tendência outras duplas vieram e muitas outras virão. Num futuro muito próximo os nossos artistas diferenciados, aqueles que passarão para a história ao lado de Noel, Chico e Tom Jobim, não terão mais que, necessariamente, vir do samba. A música do Brasil central, agora é uma opção clara, uma influência saudável de um interior articulado e, à sua maneira, cosmopolita.

Victor e Leo, cientes desse processo, se prepararam para o sucesso nas casas de shows especializadas e puderam vivenciar um contato direto com um público de grande influência no comportamento nacional.

Beleza, juventude e vozes bonitas, que não agridem e penetram em espirais delicados em nossos ouvidos. Ouvindo Victor e Leo ninguém se sente abandonado nem constrangido porque a sensação é boa para todos.

Nada é feio.

O som das vozes exatas tem a precisão de Vieira e Vieirinha e os vibratos, em determinados momentos, soam como soavam os maravilhosos vibratos do trio Irakitan.

Percebo também um certo “espírito de Gonzagão” que ronda deliciosamente muitas das canções da dupla. Estão ali a estrada, o sertão, o fogão rústico, a lagoa e sempre alguém a esperar. Aqui não avaliamos o lado dramático tão comum na música caipira original porque esse departamento está desativado, aguardando sua vez.

Victor e Leo é pra quem está de bem com a vida ou para quem está querendo chegar lá.

“Boa Sorte Pra Você” é para as novas gerações de brasileiros que buscam os valores que definirão a estética dos próximos muitos anos.

Canções de felicidade são e sempre serão o melhor caminho.

___